Posts Tagged Usabilidade

AI e Usabilidade – livros básicos

Antes de escrever este post olhei os fóruns de discussão e constatei que grande parte das discussões começa com a pergunta: por onde devo começar? Ou ainda, que livros devo ler? Também não preciso dizer quantas vezes recebo emails pedindo sugestões de livros básicos e avançados sobre um único assunto.

Portanto, aqui você vai achar livros e links comentados para quem quer começar a conhecer e para aqueles que já estão trabalhando, mas sentem falta de base teórica.

Sobre Arquitetura de Informação (AI):

O clássico dos clássicos é o livro de Peter Morville, Information Architecture. O bom deste livro é a forma como organiza, didaticamente, as questões de fluxo de tarefa e labeling, busca e organização das informações.  Porém, para aqueles que já têm experiência com AI, fica claro que há situações particulares onde a regra ou é quebrada ou precisa ser mais detalhada.

Para observar cada situação com mais detalhe, meu livro preferido é Mental Models, de Indi Young. Neste livro, a autora introduz uma técnica de pesquisa que permite conhecer como as pessoas geram os processos dentro de suas cabeças. Indiretamente, quem for usar a técnica, vai acabar caindo nas questões de memorização, atenção e criatividade discutidos pela Psicologia Cognitiva.

Quanto softwares relacionados a Arquitetura de Informação:

1)      Meu preferido para Card Sorting é o OptimalSort. Nele você pode fazer Card Sorting aberto (você não dá nome às categorias e deixa o usuário agrupar e dar nome às categorias criadas) ou fechado (você dá nome às categorias e deixa o usuário somente agrupar os itens sob essas categorias). No final do projeto de Card Sorting aberto (meu  preferido) você acaba com um mapa de AI, com os nomes das grandes categorias e com a lógica de agrupamento, sem contar com grafias erradas de palavras que você poderá usar para alimentar a busca.

2)      Para criar protótipos web e para IOS, o Axure ainda é o melhor.  Porém, para criar Android e Tablets, os resultados mais rápidos e bonitos a gente consegue com

Sobre usabilidade:

Aqui é inevitável falar de muitos livros. O assunto é extenso, tem relação com softwares, web, celulares, tablets e games, sem falar em todas as coisas com as quais convivemos e que nos impedem de sentir bem como consumidores, sejam os consoles de carros ou geladeiras.

Don’t Make Me Think ou Não me faça pensar de  Steve Krug traz uma visão simples e prática desde o ponto de vista do usuário. O texto foi criado por um consultor experiente, Steve Krug, o que faz com que as observações sejam escritas de forma bem coloquial. Para quem está começando mesmo, do zero, é um ótimo livro, leve e divertido.

Usability Engineering de Jakob Nielsen é um classic, do tipo “não dá para não ler”.  Pedra fundamental da popularização do conceito de usabilidade, Jakob Nielsen não poupa referências acadêmicas durante a narrativa e não nos poupa da construção gradual do pensamento por trás do nascimento do I.S.O. 9241-11. Este livro é extremamente didático, denso e necessário.

The Usability Engineering Lifecycle: A Practitioner’s Handbook for User Interface Design de Deborah J. Mayhew ajudará o principiante, que nunca teve contato prático com a rotina de trabalho de usabilidade, a entender o processo de trabalho dentro de uma empresa ou dentro de uma consultoria.  Claro que, como todo livro, na prática a teoria é outra. Mas saber como deveria ser rfeito ajuda muito a errar menos.

Handbook of Usability Testing: How to Plan, Design, and Conduct Effective Tests de Jeffrey Rubin, Dana Chisnell e Jared Spool.  Gosto muito deste livro. Sou o tipo de professional que gosta de saber como fazer as coisas de maneira correta pelo ponto de vista científico, e este livro trás isto. Além do mais, dá uma ótima receita de bolo que como fazer um bom trabalho de campo.  É o tipo de livro que deve ser lido de início ao fim pelo menos uma vez, e fica na estante, bem à mão, para casos de dúvida.

Designing with the Mind in Mind: Simple Guide to Understanding User Interface Design Rules de Jeff Johnson é um livro absolutamente necessário de ler e ter! Como explica o próprio autor, boa parte dos novos profissionais não têm formação em Psicologia Cognitiva ou mesmo design, o que limita sua visão do que está ocorrendo com o usuário diante da interface de comunicação.  O grande mérito deste livro está no fato de que o autor ensina a fundamentar o que se vê de erros em design e em execução de tarefas através de exemplos práticos, desses que vemos todos os dias e em qualquer site.

Boa leitura!

, , ,

Nenhum comentário.

Usabilidade: um pouco da história e definição

Publicado em 30 de março de 2005, @ http://webinsider.uol.com.br/2005/03/30/usabilidade-um-pouco-da-historia-e-definicao/

Pela norma ISO, usabilidade é a eficiência, eficácia e satisfação com a qual os públicos do produto alcançam objetivos em um determinado ambiente. Entenda o que isso quer dizer.

Recentemente ouvi de um amigo o seguinte comentário: “falam tanto nessa tal de usabilidade, mas ninguém define isso!”

Então vamos aproveitar a dúvida e falar um pouco do histórico dessa ciência. Ciência, e não arte. Sem mistérios ou intuição, sem ser mais uma “arte do bom senso”, como querem alguns, de certa forma repetindo o que já aconteceu com o pessoal de marketing tempos atrás… até que essa visão simplista acabou criando “marketeiros” e não profissionais de marketing treinados a usar estruturas lógicas de pensamento.

Bem, mas isso é outra história. Vamos à usabilidade.

Um pouco da história

Em essência, o termo tem raízes na ciência cognitiva e começou a ser usado no início da década de 80 pelas áreas de psicologia e ergonomia como substituto da expressão “user-friendly” (amigável, em português), uma vez que máquinas são ferramentas feitas para servir, não para “serem amigas”.

Além disso, a expressão usabilidade passou a ser questionada como vaga e subjetiva. Para evitar o desgaste, muitos autores buscaram caracterizar usabilidade de várias maneiras, através de:

- Definições de usabilidade orientadas às características ergonômicas do produto.

- Definições orientadas ao usuário, mostrando a relevância de seu esforço mental ou de sua atitude frente ao produto.

- Baseadas no desempenho do usuário, associadas à forma de interação, dando ênfase à facilidade de uso e grau de aceitação.

- Orientadas ao contexto de uso.

A primeira norma de usabilidade foi a ISO/IEC 9126 (1991) sobre qualidade de software. Com uma abordagem orientada ao produto e ao usuário, considerava a usabilidade “um conjunto de atributos de software relacionado ao esforço necessário para seu uso e para o julgamento individual de tal uso por determinado conjunto de usuários“.

Foi com esta norma que o termo usabilidade ultrapassou os limites do ambiente acadêmico das áreas mencionadas, para fazer parte do vocabulário de outras áreas de conhecimento, como Tecnologia da Informação e Interação Homem–Computador. Também foi em 1991 que a Usability Professionals Association foi constituída como uma comunidade respeitável de profissionais, pesquisadores e empresas, ativos na pesquisa e divulgação de estudos, pesquisas e testes na área de usabilidade.

Posto que o conceito evoluiu, foi redefinindo na parte 1 da norma ISSO/IEC FCD 9126–1 (1998), com a inclusão das necessidades do usuário. Essa norma definiu as características de qualidade de software, como funcionalidade, confiabilidade, eficiência, possibilidade de manutenção e portabilidade.

Características de qualidade de software da ISO/IEC FDC 9126-1

Funcionalidade – capacidade de o software prover funções que atendam necessidades expressas e implícitas, quando usado nas condições especificadas.

Confiabilidade – capacidade de o software manter seu nível de desempenho quando usado nas condições especificadas.

Usabilidade – capacidade de o software ser compreendido, aprendido, usado e apreciado pelo usuário, quando usado nas condições especificadas.

Eficiência – capacidade de o software operar no nível de desempenho requerido em relação à quantidade de recursos empregados, quando usado nas condições especificadas.

Possibilidade de manutenção – capacidade de o software ser modificado.

Portabilidade – capacidade de o software ser transferido de um ambiente a outro.

Afinal, o que é usabilidade?

Usabilidade é o componente do Standard de ISO 9241-11 (1998), e é definido da seguinte forma:

“Usabilidade é a eficiência, eficácia e satisfação com a qual os públicos do produto alcançam objetivos em um determinado ambiente”.

Eficácia: é a capacidade de executar tarefa de forma correta e completa.

Eficiência: são os recursos gastos para conseguir ter eficácia, sejam eles tempo, dinheiro, produtividade, memória.

Satisfação: o conforto e aceitação do trabalho dentro do sistema.”

Esse enunciado e todas as técnicas envolvidas dão uma ênfase bastante grande aos aspectos transacionais e mecânicos da usabilidade, verificando se o usuário do site consegue ou não executar uma tarefa com sucesso, o que atrapalha nesse processo e como se sente diante dessa interação.

Jakob Nielsen, o papa absoluto da usabilidade, descreve cinco atributos da usabilidade em seu livro Usability Engineering (1993, p.26): facilidade de aprendizado, eficiência de uso, facilidade de memorização, baixa taxa de erros e satisfação subjetiva. Estes atributos podem ser facilmente relacionados aos atributos da ISO 9241-11 (1998), mas há outros atributos que devem ser considerados: consistência e flexibilidade, pois eles levam à possibilidade de expressão dos elementos mencionados por Nielsen.

Consistência refere-se a tarefas que requerem uma seqüência de processos similares, que levam a supor que tenham efeitos similares, assim como entrar numa página de hierarquia inferior me leva a supor que terá uma seqüência de links semelhantes à sua “página-mãe” ou, pelo menos, à imediatamente anterior. Flexibilidade refere-se à variedade de formas com que um usuário consegue atingir um mesmo objetivo.

E por que se preocupar tanto com a usabilidade de uma interface?

Acredito que se fizermos uma enquête entre os desenvolvedores, consultores em usabilidade e outros profissionais surgirão inúmeros motivos: do foco no cliente a um desempenho melhor do site diante dos concorrentes.

Certamente teremos tempo para falar em ROI de usabilidade, essa criatura esquecida, numa outra oportunidade.

Nenhum comentário.

Por que ninguém me ouve??

Acredito que parte dos leitores trabalha dentro de empresas, seja como CLT ou PJ, e que trabalhem com UX de alguma maneira. Se isso for verdade, vocês compartilham uma dor comigo: a de muitas vezes não ser ouvido. Você chega para o gerente de produto, para os diretores e VPs e diz “o usuário não sabe usar o que vocês criaram”, ou pior “não é isso que o usuário precisa”. E nada! Nem dão bola pra você, que fica achando que falou em aramaico ou qualquer outra língua morta.

Pode acontecer outra situação, ainda mais triste. Você fez os testes, fez os vídeos com horas e horas de pessoas dizendo o quanto o tal software/site/produto as frustra ao usar, mas ninguém se interessa em ver esses depoimentos e continuam a criar interfaces, fazendo demandas que não tem relação com as reais necessidades do usuário.  Pois é. Você não é o único ao passar por isso.

Quanto mais eu converso com colegas mundo afora, mais percebo o quanto esse mal está disseminado nas empresas. Todas as empresas: Fortune 500, Exame 500 Maiores & Melhores, empresas de software e as ponto com. Sim, as pontocom também!!  Surpreso?  Não sei por que. As pontocom são empresas de software disfarçadas de produto, mas não tem “cabeça de marketing”, aquele direcionamento que se preocupa com as necessidades e limitações do usuário.  Não tem e ponto. Competem no universo da tecnologia e, como o mercado aparentemente ainda está para ser desbravado, ligam menos do que deveriam para o usuário.  A questão é que as interações que proporcionamos são determinantes na percepção da qualidade da experiência.

A questão é: como promover mudanças que nos façam ser ouvidos?  Tivemos algum sucesso com os Testes de Usabilidade, com Contextual Inquiry, Mental Modeling  e outras tantas metodologias para trazer para dentro da empresa a visão do que é a experiência do usuário. Recentemente nos dedicamos a estudos etnográficos e levamos para dentro da empresa os resultados, mostrados em palestras com vídeos, fotos e toda a parafernália multimídia.  Exceto por alguma comoção depois de “verem a realidade do cliente”, efetivamente a forma de pensar e abordar os projetos não mudou. O grande foco ainda é o gerenciamento de projetos. Fazer acontecer e lançar,  pronto.

Creio que a única forma de mudar as pessoas e consequentemente a forma de agir, é fazê-las experimentar a realidade. Nada mais poderoso que colocar as equipes de marketing, design e tecnologia misturadas nas ruas, observando o usuário em ação, agindo naturalmente.  Lembre-se, todos nós achamos que o mundo age  à nossa “imagem e semelhança”. Não é arrogância, mas funciona assim. E nada é mais rico do que ver a realidade, vivencia-la e incorporá-la ao nosso modo de pensar, agir e trabalhar.

Acredito que quem faz as pesquisas é quem mais enriquece seu repertório, sabendo como ninguém mais tudo o que o usuário quer e precisa. E é aí que está o erro. Esse conhecimento não será útil enquanto estiver confinado a um ou outro indivíduo. Deve ser adquirido e compartilhado por todos os envolvidos nos projetos.

,

Nenhum comentário.

Objetivos do Blog

This blog is all about the relationship between Interacting (acting on something, and then receiving feedback/communicating) and experiencing something (an event or occurrence) and/or feeling (an emotion). I will discuss the subject in many ways – digital, non-digital, from food to avatars in games.

, , ,

Nenhum comentário.