Posts Tagged Design Thinking

A inovação e as empresas

Se existe algo que uma empresa quer é inovação.  Essa tal inovação significa muitas coisas.   Gera a percepção de liderança em tecnologia, dá a ideia de que há muito em jogo e, por isso, essa empresa investe milhões em pesquisa.  Falando assim até parece que estamos falando de indústria farmacêutica, onde uma única molécula pode garantir anos e anos de vida de uma empresa, colocando-a na liderança e gerando milhões de dólares mundo afora.  Acontece que estamos falando de tecnologia, essa criatura facilmente copiável e tão mal compreendida.

O que eu vejo é imitação com melhoria. Inovação de verdade, eu vejo muito pouco. Também vejo muito frisson em torno de tecnologia, coisas que  quicam e pulam, tem charminho, tem design bonitinho que fazem coisas engraçadinhas. Inovação mesmo (de verdade) poucas empresas e empresários ousam fazer de verdade.  Os que fazem ficam anos esperando que alguém ache legal o que eles fazem e usem com fins comerciais.  Sob a alegação de que os custos de implantação ou da própria tecnologia, estas novidades ou revoluções ficam esperando anos para serem incorporadas aos produtos e processos.

Acontece que a inovação exige não só tecnologia, mas coragem de mudar. Mudar todos os sistemas legados que hoje fazem as empresas bem ou mal pagarem suas contas. Mudar processos que (só agora) boa parte do mercado conhece e que finalmente foi incorporado aos processos (Ufa!).  Sim, agora! Justo agora que finalmente as coisas estão andando e de alguma maneira trazendo retorno financeiro.   Justo agora aparece essa coisa nova, que a gente não sabe se o usuário vai entender, para atrapalhar/ fazer mudar.  O resultado é que há uma inovação a cada 10 anos e anos e anos de melhoria contínua.

Outro ponto para ponderar é o quanto estamos preparados para pagar pela mudança. Falei de sistemas legados e processos, mas ainda temos que pensar sobre o risco e o esforço para conquistar o mercado. O preço a pagar é alto.  Nem sempre e nem todas as inovações são imediatamente aceitas por um segmento valioso, identificável e mensurável do mercado. Concordo que quanto maior o risco, maior o retorno. Mas quantos acionistas e CEOs estão dispostos a correr esse risco? Num mundo de mudanças contínuas parece menos arriscado fazer upgrades, fazer lançamentos de versões e cópias ad infinitum.

Nestes 18 anos de Internet comercial conhecemos muitos empreendedores que arriscaram tudo por acreditarem em seu modelo de negócio. Ficou claro o esforço e o tempo que demorou até que os novos modelos de negócio funcionassem. E agora, justo agora, chegou a vez do móbile.

Este ambiente não é tão fácil como parece. As plataformas não se conversam, os custos de desenvolvimento são desafiadores, uma vez que há inúmeras plataformas e sistemas operacionais para atender. Para piorar, encontrar uma linguagem que seja proprietária, única e que funcione para cada plataforma é uma briga, um investimento enorme. Vamos ver quem vai comprar essa briga.

,

1 Comentário

Por que ninguém me ouve??

Acredito que parte dos leitores trabalha dentro de empresas, seja como CLT ou PJ, e que trabalhem com UX de alguma maneira. Se isso for verdade, vocês compartilham uma dor comigo: a de muitas vezes não ser ouvido. Você chega para o gerente de produto, para os diretores e VPs e diz “o usuário não sabe usar o que vocês criaram”, ou pior “não é isso que o usuário precisa”. E nada! Nem dão bola pra você, que fica achando que falou em aramaico ou qualquer outra língua morta.

Pode acontecer outra situação, ainda mais triste. Você fez os testes, fez os vídeos com horas e horas de pessoas dizendo o quanto o tal software/site/produto as frustra ao usar, mas ninguém se interessa em ver esses depoimentos e continuam a criar interfaces, fazendo demandas que não tem relação com as reais necessidades do usuário.  Pois é. Você não é o único ao passar por isso.

Quanto mais eu converso com colegas mundo afora, mais percebo o quanto esse mal está disseminado nas empresas. Todas as empresas: Fortune 500, Exame 500 Maiores & Melhores, empresas de software e as ponto com. Sim, as pontocom também!!  Surpreso?  Não sei por que. As pontocom são empresas de software disfarçadas de produto, mas não tem “cabeça de marketing”, aquele direcionamento que se preocupa com as necessidades e limitações do usuário.  Não tem e ponto. Competem no universo da tecnologia e, como o mercado aparentemente ainda está para ser desbravado, ligam menos do que deveriam para o usuário.  A questão é que as interações que proporcionamos são determinantes na percepção da qualidade da experiência.

A questão é: como promover mudanças que nos façam ser ouvidos?  Tivemos algum sucesso com os Testes de Usabilidade, com Contextual Inquiry, Mental Modeling  e outras tantas metodologias para trazer para dentro da empresa a visão do que é a experiência do usuário. Recentemente nos dedicamos a estudos etnográficos e levamos para dentro da empresa os resultados, mostrados em palestras com vídeos, fotos e toda a parafernália multimídia.  Exceto por alguma comoção depois de “verem a realidade do cliente”, efetivamente a forma de pensar e abordar os projetos não mudou. O grande foco ainda é o gerenciamento de projetos. Fazer acontecer e lançar,  pronto.

Creio que a única forma de mudar as pessoas e consequentemente a forma de agir, é fazê-las experimentar a realidade. Nada mais poderoso que colocar as equipes de marketing, design e tecnologia misturadas nas ruas, observando o usuário em ação, agindo naturalmente.  Lembre-se, todos nós achamos que o mundo age  à nossa “imagem e semelhança”. Não é arrogância, mas funciona assim. E nada é mais rico do que ver a realidade, vivencia-la e incorporá-la ao nosso modo de pensar, agir e trabalhar.

Acredito que quem faz as pesquisas é quem mais enriquece seu repertório, sabendo como ninguém mais tudo o que o usuário quer e precisa. E é aí que está o erro. Esse conhecimento não será útil enquanto estiver confinado a um ou outro indivíduo. Deve ser adquirido e compartilhado por todos os envolvidos nos projetos.

,

1 Comentário